14 de dezembro de 2018

E aí? Pronto para o próximo conflito?

Conflito é uma palavra que te assusta? Muitos, ao ouvirem a palavra, já pensam nas discussões acaloradas com o chefe, na esposa ou no marido defendendo um ponto de vista sem parar…

Conflito é uma palavra que te assusta? Muitos, ao ouvirem a palavra, já pensam nas discussões acaloradas com o chefe, na esposa ou no marido defendendo um ponto de vista sem parar, nas vezes que tiveram que apartar uma briga no trabalho ou simplesmente nos momentos que preferiram abrir mão do seu ponto de vista para terminar uma longa conversa.

Que o conflito é inevitável, isso não é novidade. Por mais que a gente se esforce para não fazer parte disso, não podemos contê-los. O ponto aqui é outro: aprender a ver tanto o lado positivo quanto o negativo da discussão, explorar os diferentes pontos de vista e encontrar a estratégia mais adequada para lidar com cada tipo de situação. É possível reconhecer o momento, aplicar ações corretivas, resolver o ponto da discussão e transformar toda a agitação em uma força positiva, capaz de mudar hábitos e estimular os envolvidos a buscar resultados práticos.

E por que é tão complicado evitar ou por que sempre estamos envolvidos em alguma situação desse tipo? Importante olhar para dentro (ou para fora, caso você esteja mediando algum conflito) para entender a motivação.

Você pode estar lidando com uma frustração, uma incapacidade ou limitação. Você pode estar ao lado de uma pessoa com personalidade completamente diferente da sua – características que só com a convivência diária vem à tona e nem sempre são fáceis de lidar. Suas metas podem ser diferentes das metas das outras pessoas, o que é super comum. Além disso, já parou para pensar que seu modo de ver o mundo é completamente diferente do modo com que os outros vem?

Quando não sabemos lidar com as situações acima o foco no conflito é tão grande que não é possível tomar uma atitude positiva, não é possível ter ações pontuais e focadas na solução. Surge um outro ponto interessante que são os estereótipos. Não sabendo lidar com a consequência da discussão, criam-se os “culpados”, os “que sempre ganham”, os “incompetentes” e até mesmo categorias profissionais capazes de fazer andar ou retroagir todo um planejamento.

Nem só de negativismos vive um conflito! Aprenda a ver que esse processo pode ser um ponto de socialização, que permite opiniões diferentes convergirem para um ponto comum. Aprenda a equilibrar as relações de poder por meio das discussões. Veja como as tarefas executadas em conjunto favorecem a potencialização de resultados, sempre que moderadas por alguém disposto a fazer esse papel.

  • Pense sempre nos seguintes pontos em meio a um conflito:
  • Atmosfera afetiva: o ambiente em que você se encontra precisa estar aberto para uma conversa;
  • Pontos de vista claros: saiba o que quer falar antes mesmo de começar a discussão;
  • Focos nas necessidades individuais e dos grupos: não pense só em você ou em uma pessoa do grupo;
  • Foco no futuro sem deixar de rever o passado: deslizes anteriores podem ser usado a favor;
  • Levantamento de pontos de ganho mútuo: ajude o grupo a entender um ponto comum;
  • Desenvolvimento de passos para a ação a ser efetivada: crie um plano de ação passo a passo;
  • Estabelecimento de acordos com benefícios mútuos: todos podem fazer concessões.

E não se esqueça que sem saber se comunicar, sem saber ouvir e sem saber perguntar, fica difícil resolver qualquer conflito. As maiores discussões surgem de uma comunicação inadequada, de metas e intenções não compreendidas e perguntas feitas de maneira correta.

E aí? Pronto para o próximo conflito?